IFG aposta em formação e acesso ao trabalho

ifg-3O estudante Henrique Pereira não imagina o que seria dele se não tivesse cursando um ensino técnico na Instituição. Antes de decidir viver a experiência do IFG, Henrique confessa que não possuía interesse em estudar. “Não tinha foco na vida de estudos. Eu precisava de uma instituição que acreditasse em mim e que me colocasse a questionar se eu seria capaz ou não de fazer aquilo, para assim me encontrar”, revelou.

 

O jovem defini o IFG como uma grande transformação na sua vida acadêmica. “Hoje eu sei o que é estudar, o que o conhecimento proporciona às pessoas”, garante. Ele completou que aplicar tudo o que se estuda tanto em laboratório quanto no meio social é algo que não é proporcionado na maioria das escolas e que isso dá aos estudantes uma visão política, científica e social. “Aqui aprendi o que é estudar por prazer e assim você vê que nunca conseguirá parar de estudar, pois você não faz isso, você é! Somos livres pois pensamos, mas pensamos por que somos livres, vivemos aplicando e a partir da aplicação vivemos”, finalizou.

 

No ano de 2008, quando o então governo Lula decidiu espalhar escolas de ensino técnico superior pelo País, Anápolis, por sua importância, estava no roteiro para receber uma das unidades do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. A construção do instituto no município contou com o apoio da Prefeitura que doou a área e fez o serviço de terraplanagem na época, em 2009. No ano seguinte, junho de 2010, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – Campus Anápolis – foi inaugurado, consolidando na cidade a primeira instituição pública de ensino mantida pelo Governo Federal. Começava ali o início de um sonho para centenas de jovens anapolinos e de outras cidades da região próxima. São centenas de “Henriques” que descobriram o IFG e se descobriram em suas áreas de atuação.

 

Áreas

Seis anos após o início das atividades, o Instituto Federal de Goiás – Campus Anápolis – oferta três modalidades de ensino voltadas às potencialidades da região: Ensino Superior; Técnico Integrado – direcionado aos jovens que cursam o ensino médio na Instituição e o Técnico Proeja – disponível à formação de jovens e adultos com o diferencial do ensino técnico agregado. Estudantes do ensino Técnico Integrado têm formação em tempo integral, ou seja, ficam na instituição o dia todo. Nas outras modalidades, as formações são distribuídas nos períodos matutino ou noturno.

 

Os estudantes Lara Maysa de Morais e Henrique Pereira cursam o 3º e 2º ano da modalidade de ensino Técnico Integrado em Química. Ambos com 16 anos, eles escolheram o IFG pela oportunidade de aliar o ensino médio seriado a uma capacitação técnica. Lara por estar no terceiro ano, estagia na instituição prestando auxílio nos laboratórios. “Aqui nós temos maior contato com o ambiente científico. Isso é um atrativo e um diferencial das outras instituições regulares”, destacou a estudante.

 

Henrique relata que cursou o primeiro ano do ensino médio numa escola regular e, ao ingressar no IFG, repetiu a mesma série para ter uma formação completa. “Tenho seis aulas de química além da grade normal. Estou me especializando na área e já tenho no currículo um projeto de pesquisa em andamento”, afirmou Henrique que espera aumentar a sua participação na unidade.

 

Na expectativa

 

Estudante do curso de licenciatura em química, Hérika Vidal ingressou no IFG em 2012 e teve uma formação voltada para a sua atuação como professora. Concluindo o curso no próximo semestre, ela foi bastante ativa durante a sua experiência no instituto, desenvolvendo atividades de monitoria e voluntarismo.

 

Além de prestar auxílio a outros discentes, ela incentivou os projetos de estudos científicos de sua área específica. “Nesse meu tempo aqui, percebi que o IFG dá toda a abertura e condições para a formação do estudante com incentivos à pesquisa, extensão, fatores preponderantes para a formação educacional”, relatou.

 

Assistência

 

Uma série de auxílios garante a permanência dos alunos na instituição até a conclusão de sua formação. Para os estudantes em tempo integral, é disponibilizado auxílio alimentação enquanto não é viabilizado um refeitório no interior da unidade.

 

É oferecido, também, auxílio transporte e, por último, um auxílio permanência que contempla alunos com maior vulnerabilidade social. O estudante Henrique que vem de Teresópolis todos os dias para estudar em Anápolis recebe dois destes auxílios. “A instituição favorece que você conclua a sua formação”, citou.

 

A matéria completa em www.tribunadeanapolis.com.br.

 

VOLTAR