PT e aliados seguem na órbita de Gomide

antônio-gomideEmbora a legenda esteja desgastada nacionalmente por conta do processo de impeachment da presidente de Dilma e da Operação Lavajato, o PT ainda é a maior força política na cidade. Além de estar à frente da Prefeitura, a legenda conta com um forte cabo eleitora: o ex-prefeito Antônio Gomide, saiu da gestão com grande popularidade na cidade.

 

Gomide é o hoje o principal trunfo do prefeito João Gomes e do PT para permanecer na Prefeitura. E isso já pode ser observado nas ações do partido. Essa semana, as pílulas partidárias veiculadas mostravam cenas de obras da gestão Gomide e de João Gomes, tendo o ex-prefeito como protagonista nas mensagens.

 

Em um dos vídeos, Gomide fala, ao lado do prefeito, sobre os avanços conquistados por Anápolis nos últimos anos e da importância de continuar uma gestão marcada pelo “planejamento” e o resgate da autoestima do anapolino. Mas é a força política do ex-prefeito que mais impulsionará a campanha de João Gomes.

 

A atração de apoios partidários terá uma importante influência de Antônio Gomide. Gomide tem mantido conversa com o deputado federal e presidente do PMDB estadual, Daniel Vilela, e com o prefeito de Aparecida, Maguito Vilela. Embora PT e PMDB estejam em processo de litígio em Goiânia e Brasília, os dois defendem que os partidos de oposição precisam estar unidos para enfrentar o grupo do governador em 2018.

 

Para o PMDB estadual, interessa a aproximação com o petista, já que é uma porta de entrada para o partido que nos últimas eleições apresentou resultados bem insatisfatórios na disputa ao governo. Daniel deve ser o candidato peemedebista em 2018 e ter um aliado como Gomide ajuda a tentar a equilibrar a disputa contra os aliados de Marconi.

 

O deputado Daniel Vilela diz que o partido tem précandidato e que uma possível conversa com o PT ficará para o segundo turno. “Eli Rosa é o nome do partido para disputar a prefeitura de Anápolis e tem todo apoio do diretório estadual. PMDB e PT têm boa relação na cidade e isso reflete num eventual segundo turno. Acredito que não teremos nenhuma dificuldade em fazer uma aliança e caminhar juntos”, afirma.

 

Fonte: Tribuna de Anápolis

VOLTAR