Acompanhe nosso trabalho nas redes sociais

Política Estadual de Turismo de Base Comunitária é aprovada em segunda fase

Na Ordem do Dia da sessão ordinária híbrida desta quinta-feira, 17, os parlamentares aprovaram, em votação definitiva, o projeto nº 5082/19que institui a Política Estadual de Turismo de Base Comunitária de Goiás. A proposta, de iniciativa do deputado Antônio Gomide (PT), recebeu22 votos favoráveis e nenhuma manifestação contrária.

Gomide assinala que o objetivo é promover um turismo mais justo, que coloque a população local no protagonismo em todas as etapas, como: planejamento, implementação e monitoramento e leve em consideração a sustentabilidade social e ambiental das atividades. “Alguns dos princípios desse modo de fazer turismo são conservação da biodiversidade, valorização da história e da cultura, protagonismo comunitário, equidade social, partilha cultural, complementaridade a outras atividades econômicas, estímulo à reflexão e ao aprendizado e dinamismo cultural”, define o legislador.

O deputado assinala que a gestão responsável e sustentada dos recursos naturais e o respeito à preservação da identidade cultural das populações tradicionais têm servido às vezes de instrumento de contenção dos anseios e necessidades desenvolvimentistas de muitos países. “O simples reconhecimento de que algumas práticas adotadas na expansão das fronteiras em busca do crescimento econômico são nocivas ao meio ambiente e ao homem, não é suficiente”, defende. 

Gomide ressalta a necessidade de aceitar o desafio de promover mudanças nas políticas de desenvolvimento e encontrar alternativas para os modelos até agora adotados. “Para que o turismo de base comunitária em Goiás possa efetivamente constituir uma estrutura sólida, acessível e permanente, é preciso que esteja alicerçado em diretrizes coerentes com o mercado, tecnologicamente ajustadas e democraticamente discutidas, de forma a acomodar adequadamente as peculiaridades de cada ecossistema e de cada traço da cultura popular goiana”, garante. 

O turismo de base comunitária, por sua vez, apresenta um crescimento real para as populações locais, com um incremento contínuo de ofertas e demandas por destinos turísticos como resultado. “Nem os esforços governamentais ou os privados foram suficientes para ultrapassar as barreiras, até hoje existentes, entre a teoria, principalmente em relação aos modelos nacionais, e a prática do turismo de base comunitária”, escreve. “Entre essas barreiras a ausência de consenso sobre a conceituação da atividade, regulamentações e incentivos que orientem empreendedores solidários e o próprio governo, no estímulo e na exploração do potencial das belezas naturais e valores culturais disponíveis ao mesmo tempo em que promova a sua conservação”, considera o deputado.

O projeto agora segue para a sanção do governador. 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest